Polícia apreende ferramentas usadas na invasão ao apartamento de Carlinhos Maia, mas ainda procura joias furtadas

Com os três homens presos em Campina Grande (PB) suspeitos do furto ao apartamento de Carlinhos Maia e Lucas Guimarães, em um luxuoso prédio em Maceió, a polícia apreendeu equipamentos utilizados no crime: ferramentas, celulares, luvas, lanterna e uma escada retrátil. As joias e o relógio, avaliados em cerca de R$ 5 milhões, ainda não foram recuperados, segundo informou a Polícia Civil nesta terça-feira (7).

 

As prisões aconteceram na noite de segunda (6), em cumprimento a mandados expedidos pela 17ª Vara Criminal da Capital, e o trio foi transferido para a capital alagoana nesta terça (7). Os suspeitos foram identificados como Emerson de Holanda Lira, Wellington Medeiros da Silva Moraes e um terceiro homem que não teve o nome divulgado.

 

O inquérito ainda não foi concluído e os delegados que investigam o caso dizem que os três presos negam participação no crime. Ao g1, os advogados que representam os acusados disseram que não tiveram acessos aos autos nem a provas da investigação.

 

“Surpresa para a família e para a cidade, tendo em vista que ele é empresário e dono de uma reputação ilibada”, disse Evanildo Nogueira, responsável pela defesa de Wellington.

 

“Não tivemos nem acesso aos acusados”, afirmou Thiago Araújo da Silva, que representa Emerson e o terceiro preso.

 

A Polícia Civil da Paraíba informou que os três presos têm passagem pela polícia por crimes patrimoniais, dois deles por roubos a bancos. Todos são paraibanos e estariam diretamente envolvidos com o furto em Maceió.

 

De acordo com as investigações, os homens presos são responsáveis pela execução do crime. Dois deles seriam os que aparecem nas imagens de câmeras de segurança na garagem do prédio (assista ao final do texto) e o terceiro seria o responsável por dirigir o carro utilizado no crime. A Polícia Civil ainda investiga se o crime tinha mandante.

 

Além dos equipamentos, também foi apreendido um carro que, segundo a Polícia Civil, foi utilizado para dar apoio aos criminosos. Câmeras de segurança da parte externa do prédio dos influenciadores filmaram o veículo passando em frente ao imóvel na madrugada do furto.

 

“Ele [o carro] só para por alguns minutos, 2 a 3 minutos, mas se mantém em movimento para dificultar o trabalho da polícia”, disseram os investigadores.

 

Foi nesse carro, apreendido em uma oficina mecânica em Campina Grande (PB), que a polícia encontrou o par de luvas e a lanterna utilizadas pelos criminosos que invadiram o apartamento de Carlinhos Maia.

 

Ainda segundo a Polícia Civil, não é possível afirmar se o arrombamento da porta foi simulado ou se os criminosos utilizaram a senha de acesso. Essa suspeita tinha sido levanta pelo marido de Carlinhos Maia, Lucas Guimarães.

 

“A fechadura apresentava sinais de violação compatíveis com o material apreendido com um dos presos. Mas quem vai dizer o que houve com esse primeiro obstáculo é a perícia. Nós não podemos ainda descartar que eles tenham tido informações que facilitaram a ação. Acreditamos que se trata de um crime guiado, mas a investigação vai aprofundar isso”, disse Thales Araújo.

Criminosos tinham alvo específico

O apartamento estava vazio no momento do furto. Carlinhos Maia estava em Aracaju para uma lipoaspiração e o marido, Lucas Guimarães, estava a trabalho em Cancún, no México. Para a Polícia Civil, os criminosos invadiram o imóvel sabendo o que queriam levar.

As investigações indicam que o crime foi encomendado e produtos específicos eram o alvo: o relógio mais caro – avaliado em R$ 1 milhão – e um colar de 36 diamantes – de R$ 1,5 milhão. Eles estavam no cofre com algumas outras joias, e os bandidos saíram com cofre e tudo. Outros seis relógios também valiosos foram deixados para trás.

De acordo com o delegado Lucimério Campos, as pessoas que cometeram o furto são especializadas nesse tipo de crime. Outro ponto investigado é de que os criminosos tiveram informações privilegiadas sobre as falhas do sistema de segurança do edifício onde os influenciadores moram.

As câmeras de segurança do edifício gravaram dois criminosos entrando no prédio de Carlinhos Maia pela garagem. Nas imagens é possível ver que os criminosos andam pelos cantos para chegar ao interior do prédio, usando máscara, luva e chapéu.

 

Fonte: G1/AL

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo